Home  >>  Publicações  >>  Cases  >>  Existe melhor fórmula de gestão e logística quando o assunto é receber pessoas para um evento de entretenimento?

Cases

Existe melhor fórmula de gestão e logística quando o assunto é receber pessoas para um evento de entretenimento?

On fevereiro 12, 2016, Posted by , In Cases, By ,,, , With No Comments

No caso do Rock in Rio, festival que já está em sua 16° edição, é possível sim, pensarmos em uma fórmula que maximize benefícios dos inúmeros envolvidos nesse seguimento.

O que é?
O responsável pelo espetáculo em que se tornou o Rock in Rio (RiR), hoje considerado o maior festival de música do mundo de acordo com o Guinness Book of Records é o empresário Roberto Medina.
Medina afirma que ainda nos anos 1980 a ideia era apresentar para os jovens que vivenciaram a ditatura militar no Brasil que a música é uma representação de pensamentos e expressões não antes discutidas devido ao período militar.
Com o terreno da “cidade do Rock” cedido pela Prefeitura da Cidade do Rio de janeiro e Vendidos mais de um milhão de ingressos restava agora elaborar um plano de negócios que acobertasse todos os custos dessa ideia.

Como?
Com a oportunidade de selar acordo com a TVGlobo, para que o festival fosse transmitido ao vivo, todo esforço era pouco, afinal, a época a equipe de Medida era de quatro pessoas. Mesmo assim, foi possível esse parceiro estratégico foi incluído no plano de negócios.

Garantir a interlocução com os moradores que residem próximo à Cidade do Rock também é etapa crucial para que o projeto seja bem executado.

Um problema foi manter como parceiro estratégico o governo local. Para não correr o risco de realizar um espetáculo com percalços ou com problemas de logística, o RiR possui, no Brasil, um hiato de dez anos – entre 1991 e 2001.
Um bom gerenciamento parte da ideia de um produto com qualidade. Se uma variável ou um stakeholder não cooperar o resultado final pode ser muito aquém do esperado. No caso do RiR, quatro perguntas orientam o plano de negócios: O quê? Como? Para quem? Com quem? Tais perguntas se voltam a ideia de “jornada do cliente”, vinculada a existência de inúmeros pontos de contato que a organização mantem com o público antes, durante e depois do evento.

Porquê?
Percebeu-se que o negócio ia muito além dos shows quando o evento ocorreu no Maracanã e não na Cidade do Rock. Para a equipe que atua na execução do RiR isto é a experiência falando mais alto. O RiR não é somente uma exibição de bons músicos e isso é facilmente observado quando se considera a Cidade do Rock como o espaço apropriado para o evento. É fácil observar que em meio a rodas gigantes, três palcos, tirolesa, montanha-russa e até mesmo uma capela, o RiR não é somente um festival, é um ambiente de socialização.

Clique aqui e leia mais.