Home  >>  Pauta do dia  >>  Fundo da ONU visita Sergipe para avaliar projetos de desenvolvimento agrícola

Pauta do dia

Fundo da ONU visita Sergipe para avaliar projetos de desenvolvimento agrícola

Na última terça-feira, 04 de julho, representantes do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), iniciaram visita técnica ao estado de Sergipe para discutir o andamento do Projeto Dom Távora, que vem sendo executado no estado com recursos do organismo internacional. Contratado em 2013,…

Na última terça-feira, 04 de julho, representantes do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA), ligado à Organização das Nações Unidas (ONU), iniciaram visita técnica ao estado de Sergipe para discutir o andamento do Projeto Dom Távora, que vem sendo executado no estado com recursos do organismo internacional.

Contratado em 2013, o projeto tem como meta atender 10 mil famílias de pequenos produtores rurais, beneficiando 40 mil pessoas, por meio da implementação de 300 planos de negócios.

O Projeto atende a 15 municípios de baixo índice de desenvolvimento humano (IDH) do estado, localizados nos seguintes territórios: Centro Sul – Tobias Barreto, Poço Verde e Simão Dias; Território Agreste Central e Médio Sertão – Pinhão, Nossa Senhora Aparecida, Carira, Graccho Cardoso e Aquidabã; Território do Baixo São Francisco – Japoatã, Santana do São Francisco, Ilha das Flores, Pacatuba, Brejo Grande, Neópolis e Canhoba.

O que é o Projeto Dom Távora?

O Projeto Dom Távora tem como objetivo contribuir para a remissão da pobreza rural, mediante apoio aos pequenos produtores, de forma que estes desenvolvam negócios agropecuários e não-agropecuários que contribuam para a segurança alimentar e permitam a inclusão pelo trabalho e pela renda de maneira sustentável.

Com investimento previsto de 28 milhões de dólares, dos quais 15,7 milhões de dólares são financiados pelo FIDA e os 12,3 milhões de dólares restantes são de contrapartida estadual, a expectativa do FIDA é de que o projeto chegue até 2019 com a execução completa dos recursos físicos e financeiros previstos.

Podem participar do projeto todas as famílias pobres que vivem nas áreas rurais de atuação do Dom Távora. As famílias são atendidas por meio de investimentos coletivos das comunidades, e devem estar organizadas em grupo de no mínimo 7 participantes através de uma Associação ou Cooperativa, podendo assim apresentar proposta para planos associativos que envolvam agropecuária ou planos para produtos não agrícolas, como o artesanato e o turismo rural, até o limite de R$ 5.750,00 por família. O projeto exige que, no mínimo 30% dos beneficiários sejam mulheres e jovens rurais.

É prioridade para o Projeto atender as atividades relacionadas ao arroz, abelha, peixe, camarão e ostra, artesanato, turismo rural, aves caipira, ovinos caprinos, fruticultura e mandioca.

Sistema agroecológico integrado

Em maio, o projeto Dom Távora inseriu o primeiro projeto construído a partir de uma proposta de Sistema Agroecológico Integrado, a comunidade do terreiro da Associação Religiosa Ilê Axé Oya Abassá. O projeto visa prestigiar os costumes e tradições dos povos de Matriz Africana, e se destaca por articular as políticas públicas de assistência social e desenvolvimento agrário.