Home  >>  Boas Práticas  >>  Turismo, Patrimônio Histórico e Transformações Socioespaciais em Cidades Tombadas: O caso de Paraty

Boas Práticas

Turismo, Patrimônio Histórico e Transformações Socioespaciais em Cidades Tombadas: O caso de Paraty

On dezembro 21, 2016, Posted by , In Boas Práticas,Cultura, With No Comments

O texto tem como objetivo oferecer uma proposta metodológica para o estudo das transformações sofridas pelas chamadas cidades históricas a partir de seu tombamento e do seu uso pelo turismo. Trata-se de uma abordagem assentada sobre as teorias oferecidas pela Geografia, Sociologia, Urbanismo, História da Arte e Turismo. A ideia que norteou o estudo foi a da cultura vista como commodities, interpretada e abordada por David Harvey, que gera vantagens econômicas, como a renda monopolista.

No entanto, o uso indiscriminado e equivocado dessa renda pode ocasionar um efeito inverso, levando à perda da mesma. É possível analisar cidades com significativo patrimônio histórico arquitetônico por meio desse processo, no qual os bens tombados são utilizados como atrativos turísticos e que, dependendo do seu uso e apropriação, promovem o crescimento econômico local em uma primeira fase e a perda de valor atrativo em fase seguinte. A cidade escolhida para analisar a problemática apontada foi Paraty, localizada no litoral sul do estado brasileiro do Rio de Janeiro e que desde sua conversão em Monumento Nacional, em 1966, aliada a uma significativa melhoria de acesso à cidade, passou a receber grande número de turistas, sofrendo importantes transformações socioespaciais.

Clique aqui e leia o artigo na íntegra.