Home  >>  Boas Práticas  >>  Tribunais de Justiça pelo país criam programas de proteção às mulheres, baseados na Lei Maria da Penha

Boas Práticas

Tribunais de Justiça pelo país criam programas de proteção às mulheres, baseados na Lei Maria da Penha

O que é Prática?

Aproveitando o Dia 08 de março, dia em que o “Gestão Pública Eficiente” quer utilizar esse espaço para abordar o quão importantes são as práticas favoráveis à redução do crime contra a mulher, vamos falar sobre o levantamento feito pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que compilou algumas práticas que ocorrem em Tribunais de Justiça pelo país com o intuito de diminuir a difícil situação vivida por milhares de mulheres.

Quando Ocorreu?

A partir do advento da Lei Maria da Penha, em 2006, as iniciativas se intensificaram, sendo reproduzidas até hoje.

Onde Ocorreu?

A prática ocorreu através dos seguintes Tribunais:

Tribunal de Justiça do Amapá – Programa de Rádio Justiça por elas
Tribunal de Justiça do Distrito Federal – Programa Maria da Penha vai à Escola e a construção do Manual de Boas Práticas do Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher da Circunscrição Judiciária de Sobradinho/DF
Tribunal de Justiça do Mato Grosso – Projeto Socioeducação Esperança e o Projeto Abordagem Sistêmica – Constelações Familiares
Tribunal de Justiça da Paraíba – Projeto Justiça e seu Bairro – Mulher merece respeito; Parceria no programa SOS Mulher; Parceria no programa Patrulha Maria da Penha
Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul – Programa Justiça para o século XXI; Projeto Borboleta; Maria na escola; Grupos reflexivos de Gênero, entre outros
Tribunal de Justiça de São Paulo – Projeto Fênix
Tribunal de Justiça de Sergipe – Programa Interior em Rede; Projeto Construindo Conceitos e Ações; Programa Viver Mulher; Projeto Viver Melhor

Porque?

Este mapeamento é importante para colaborar com a diminuição da prática de violência contra a mulher que ainda é reproduzida e replicada por muitos indivíduos no Brasil.
Clique aqui e leia na íntegra.