Home  >>  Boas Práticas  >>  Mobilidade  >>  Centralização do controle reduz tempo de espera por vistorias em aeronaves

Mobilidade

Centralização do controle reduz tempo de espera por vistorias em aeronaves

On fevereiro 11, 2016, Posted by , In Mobilidade, By ,,, , With No Comments

O que é a pratica?
A ideia da centralização surgiu objetivando que os usuários da aviação civil em todo o país tivessem um tempo de espera igual para a realização de vistorias. A partir do dia 4 de janeiro de 2010, foi instituída a forma centralizada do controle das vistorias de aeronaves visando à melhoria e agilidade do processo. Trata-se de uma centralização virtual, pois cada inspetor permaneceu sediado em seu próprio local de origem, porém cumprindo as missões definidas pela coordenação central, a fim de atender a vistoria em qualquer ponto do território nacional.

Quando ocorreu?
Iniciativa implantada em janeiro de 2010

Onde Ocorreu?
Superintendência de Aeronavegabilidade
Agência Nacional de Aviação Civil

Porque?
No aspecto de Vistoria Técnica Inicial (VTI) e Especial (VTE) de aeronaves, a coexistência das diversas Gerências Regionais gerava uma série de diferenças de procedimento, tais como:
a) Quantitativo de aeronaves aguardando vistorias;
b) Quantitativo de inspetores para a realização de vistorias;
c) Tempo de atendimento;
d) Qualidade dos serviços;
e) Padrão de execução;
f) Interpretação no cumprimento dos requisitos;
g) Montagem e arquivamento dos processos etc.

Uma das principais deficiências do processo era a falta de publicidade do controle das filas de atendimento. Uma espera de dois meses poderia ser considerada normal em uma regional, enquanto em outra regional poderia ser considerada exagerada. Visando diminuir o tempo total das aeronaves nas filas e as eventuais diferenças entre regionais, de agosto a dezembro de 2009, foi implementada uma fase intermediária. Nessa etapa, cada regional que tivesse uma fila de aeronaves cuja expectativa de atendimento ultrapassasse 30 dias, deveria repassar o excesso para o controle da Gerência-Geral de Aeronavegabilidade Continuada (GGAC), que passou a administrar essas vistorias com inspetores que diversas regionais disponibilizavam.

Clique aqui e leia mais.